Novembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Calendário Calendário

Quem está conectado
1 usuário online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 1 Visitante

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 14 em Sex 08 Jul 2011, 17:37

Ficha 5. Ciclo 1.

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Ficha 5. Ciclo 1.

Mensagem por vitor cardoso em Ter 25 Jun 2013, 17:12

Olá a todos Smile

Fica aqui o tema para lerem e refletirem!



Afetividade e sexualidade
 
No amor nós jogamos tudo. Conforme cada um vai crescendo, descobre que o centro das nossas vidas é amar e ser amado. Quando cada um abre todo o seu mundo interior tem a impressão de ter tocado numa “chave” importante; a maior coisa que temos: descobrimos o que significa amar.
 
Ao mesmo tempo, passa-se com quase todos: aquilo que é o mais básico para nós é o que nunca terminamos de aprender. Em algumas ocasiões é a maior fonte de autorrealização, e noutras torna-se a origem das maiores frustrações.
 
No final, tornar-nos afetivamente maduros será conhecermos e aceitarmos nas nossas necessidades básicas para chegar à situação de ser livres para amar. Para isso, a cada passo que damos encontramos limitações por milhares de obstáctulos e dificuldades.
 
Vivemos numa sociedade que “liberalizou” o sexo. De uma sociedade repressora, passamos a uma sociedade mais aberta, permissiva. Mas, temos a impressão de que as nossas relações humanas, interpessoais são mais livres? Por isso, analisa o teu “mundo” emocional, afetivo e sexual:
 
a) Desde um nível psicofisiológico nos abrimos ao mundo como corpo para poder amar. Amamos como seres sexuados que somos e em tudo entra a nossa sexualidade, por vezes reprimida, às vezes difícil de controlar. Também, por vezes, não nos apercebemos de que somos corpo e vivemos em “compartimentos estancos”: em alguns aspetos da nossa vida, “puro” espírito, “pura” racionalidade, e noutros “pura” corporalidade.
            - Como te sentes?
            - Estás reconciliado com o teu ser?
            - Como vives a tua sexualidade: reprimida, descontrolada, integrada?
- Te dan miedo tus pulsiones, el placer?
b) Ficar maduro afetivamente significa, em segundo lugar, saber ser donos de nossas emoções. Objetivar, reconhecer, dar nome e aceitar nossos sentimentos. Saber lidar connosco entre os dois extremos: nem sentirmos sobrecarregados pelas emoções, nem sermos incapazes de nos expressarmos afetivamente. Noutras palavras, entre a repressão ou a inibição do mundo emocional e a expressão descontrolada de qualquer sentimento. Ou seja, sermos donos de nossas emoções e não serem elas que se adequem aos outros (ou que os outros sejam donos das nossas emoções).
            - Eres capaz de ir objetivando, dando nombre a tus sentimientos y no vivir a merced de ellos? Eres capaz de ir clarificando, poniendo en su sitio?
            - És sensível, “poroso”, capaz de expressar teus sentimentos?
            - E a nível das caricias: és capaz de dar e receber caricias – tanto físicas como psicológicas? Dá-te medo o contacto físico? Mostras-te vulnerável?
 
c) Pero la maduración afectiva se queda corta mientras todo lo anterior no va siendo unificado en el mundo de la significación interpersonal. Porque ficar afetivamente maduro implica essa capacidade de abrir-se ao outro, que o outro seja um “tu” para mim, que signifique, que se vá introduzindo na minha vida. Amar significa atrever-se a uma relação total, onde se está diante do outro desde um “eu real”.
            - Nas relações interpessoais, mostras-te como és, atreves-te a querer e a que te queiram, ou defendes-te?
            - Nas relações tens a tendência de mostrar uma imagem real ou ideal a ti mesmo e do outro?
            - Atreves-te ao conflito na relação ou evitas, por medo de não ser querido?
            - Experimentaste o que é o mundo “da significação” (significar para alguém), ou viver a vinculação, ou o sentido de pertença?
 
d) A maturidade afetiva tem tudo a ver com a relação com Deus. Em suma, o amor relaciona-se com Deus desde os pressupostos do seu mundo relacional. “Quem não ama a seu irmão, a quem vê, como poderá amar Deus a quem não vê?” (Jo 4). E afinal, conhecer Deus é ter experiência afetiva d’Ele.
            - Qual é a tua experiência afetiva de Deus?

vitor cardoso
Miguito Máximo
Miguito Máximo


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha 5. Ciclo 1.

Mensagem por vitor cardoso em Dom 18 Maio 2014, 15:07

Olá miguitos.

Alguém me pode explicar como correu a reunião? Que falaram e como ficaram com os temas atuais?

PS: Sempre fizeram o jantar e Youcat?

vitor cardoso
Miguito Máximo
Miguito Máximo


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha 5. Ciclo 1.

Mensagem por Celso em Dom 18 Maio 2014, 16:50

fizemos so o Juca...

quanto aos temas ja se arranjaram tens de pedir ao sousa ou ao irmao pa te enviar o teu...sei que o julio ja tem o dele nao sei se os seguintes tambem...

_________________
avatar
Celso
Miguito
Miguito


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha 5. Ciclo 1.

Mensagem por vitor cardoso em Dom 18 Maio 2014, 17:21

Obrigadoo Sichon

vitor cardoso
Miguito Máximo
Miguito Máximo


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha 5. Ciclo 1.

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum